Anvisa libera importação da vacina chinesa

Vacina contra Covid-19: Europa e Estados Unidos devem contar com o imunizante ainda em dezembro, segundo a empresa norte-americana

Imunizantes virão prontos para aplicação, mas antes de serem disponibilizados para a população, é necessário o registro da vacina no país. Instituto Butantan ainda aguarda autorização para importar matéria-prima.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou, nesta sexta-feira (23/10), a importação de seis milhões de doses prontas da vacina chinesa CoronaVac. A remessa faz parte do acordo feito entre a farmacêutica Sinovac e o Instituto Butantan.

Responsável por produzir a vacina em território nacional, o Butantan aguarda, ainda, liberação para importar a matéria-prima da vacina, suficiente para fabricar mais 40 milhões de doses. Isso porque a Anvisa desmembrou o pedido de importação do Butantan.

O prazo máximo para análise das vacinas envasadas era de cinco dias, mas já foi deliberado nesta sexta. No entanto, quanto à liberação da matéria-prima, a agência alegou ter encontrado “discrepâncias apontadas no processo” e que ” foram encaminhadas para o laboratório a fim de serem solucionadas”.

“Caso o Instituto Butantan consiga solucionar as pendências apontadas no processo da excepcionalidade, aliada à avaliação das questões técnicas relativas às boas práticas de fabricação, a Anvisa executará os trâmites para decisão dentro da maior agilidade possível”, esclarece a agência, por meio de nota oficial.

Laboratórios preparados – De acordo com o presidente do instituto, Dimas Covas, os laboratórios da instituição já estão preparados para iniciar as produções. “Assim que autorizada pela Anvisa, a matéria-prima será enviada pela China e, assim, iniciamos a produção logo na sequência […]. Portanto, o que será disponibilizado para o ministério é uma vacina Butantan: brasileira e feita com matéria-prima vinda da China”, disse durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira, no Palácio dos Bandeirantes.

O objetivo do Butantan é já ter as vacinas prontas para quando a Anvisa verificar os estudos e autorizar o registro. Se conseguir cumprir o cronograma, os lotes estarão prontos até o fim do ano.

 

Fonte: CB – Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here