Biden defende embargo contra Cuba e ataca governo cubano

Presidentes Joe Biden, dos EUA e de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermudez - Foto reprodução

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, reagiu questionando Joe Biden: ‘se queres fazer um gesto com Cuba, por que não têm coragem de abrir o bloqueio?’

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, resolveu atacar o governo de Cuba depois que a população da ilha caribenha fez protestos contra o governo de Miguel Díaz-Canel nesse domingo (11). O país latino-americano acusou os americanos de estimularem manifestações contra o governo de Cuba.

No Twitter, Biden disse que está “ao lado do povo cubano e de seu clamor por liberdade e alívio das trágicas garras da pandemia e das décadas de repressão e sofrimento econômico a que foi submetido pelo regime autoritário de Cuba”.

“O povo cubano defende com bravura os direitos fundamentais e universais. Esses direitos, incluindo o direito de protesto pacífico e o direito de determinar livremente seu próprio futuro, devem ser respeitados. Os Estados Unidos conclamam o regime cubano a ouvir seu povo e a servir suas necessidades neste momento vital, em vez de enriquecer”, afirmou.

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermudez fez na noite desse domingo um pronunciamento na TV contra o que ele classificou como “contrarrevolucionários” que estariam organizando os protestos.

“Se queres fazer um gesto com Cuba, se queres realmente preocupar-te com o povo, se queres resolver os problemas de Cuba: acabem com o bloqueio e vejamos como jogamos. Por que não o faz? Por que não têm coragem de abrir o bloqueio? Que fundamento legal e moral sustenta que um governo estrangeiro possa aplicar essa política a um país pequeno e em meio a situações tão adversas? Isso não é genocídio?”, disse.

Para o ex-chanceler Celso Amorim, o governo dos Estados Unidos não têm “autoridade moral” para ‘palpitar’ sobre o que acontece no país da América Central enquanto defenderem o embargo que prejudica gravemente a situação econômica do país. “Os Estados Unidos, com o embargo, não têm autoridade moral para dizer nada. Se eles suspenderem o embargo, aí podem até dar algum palpite”, disse à TV 247.

Em junho, a Organização das Nações Unidas (ONU) condenou, pela 29ª vez, o embargo dos americanos contra Cuba, imposto desde 1962. Foram 184 votos contra dois. Apenas Israel e EUA votaram contra. Brasil, contrariando o histórico de apoio a Cuba na ONU, Ucrânia e Colômbia se abstiveram.

 

Fonte: Brasil 247

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here