Caso Letícia: boatos atrapalham buscas por acusado de matar filha esfaqueada há dois anos

Horázio Lazareno Lucas e Letícia Tanzi — Foto: Reprodução/Facebook

Letícia Tanzi foi morta pelo pai que havia acabado de deixar a prisão, no dia 3 de outubro de 2018, em São Roque (SP). Menina havia o denunciado por estupro; mais de 50 denúncias foram checadas, segundo a Polícia Civil.

Dois anos depois de matar a filha de 13 anos a facadas após deixar a prisão em São Roque (SP), Horácio Lazareno Lucas continua sendo procurado. Após o crime, em 3 de outubro de 2018, o pai de Letícia fugiu para uma área de mata e não foi mais visto. Segundo a Polícia Civil, mais de 50 denúncias foram checadas nos últimos meses.

Letícia Tanzi foi morta a facadas em casa no dia 3 de outubro de 2018, horas depois que o pai deixou a prisão onde cumpria pena por estupro contra a cunhada. Durante o período em que ficou preso, o suspeito foi denunciado pela filha pelo mesmo crime.

Ao sair da penitenciária, com o benefício de recorrer da primeira acusação de estupro em liberdade, ele foi para casa tentar convencer a adolescente a retirar a denúncia. A jovem se recusou e foi esfaqueada várias vezes.

De acordo com a investigação, o inquérito foi concluído e a prisão preventiva de Horácio foi decretada, na época. No entanto, falsas denúncias e pistas baseadas em boatos de moradores levaram os policiais a dezenas de buscas em vão em cidades da região.

A maioria das pessoas afirmava ter visto Horácio com barba, boné e andando em estrada rural. Há relatos também de supostas andanças em matas de São Roque e Mairinque. Contudo, em nenhuma das situações ele foi encontrado.

Como nasceu e foi criado na região, Horácio tinha conhecimento de trilhas na mata densa de São Roque.

Dor de mãe – A mãe e o irmão mais novo de Letícia Tanzi atualmente convivem com o receio. A dona de casa voltou a estudar e trabalhar. A família teme por uma retaliação de Horácio.

“Arrumei um emprego, vou trabalhar todos os dias, afinal tenho um filho pra criar e não posso ficar minha vida inteira com medo de sair de casa”, disse Tamires Tanzi, mãe de Letícia, ao G1.

“A única coisa que eu queria era minha filha viva, mas isso é impossível, e mesmo se houver justiça algum dia, não vai mudar a dor que sinto”, desabafa a mãe.

Em caso de denúncias não é preciso se identificar pelo 181 ou direto com o setor de Capturas, pelo telefone (11) 3311-3021.

Após o crime, Horácio fugiu para uma área de mata em São Roque e não foi mais visto — Foto: Reprodução/Facebook – Priscila Mota/TV TEM

Crime – Em 3 de outubro de 2018, segundo a Polícia Civil, a jovem Letícia Tanzi estava em casa, quando Horácio foi até o imóvel depois que recebeu o alvará de soltura.

Enquanto ele esteve detido, Letícia o denunciou alegando que era violentada desde 2017. Horácio foi até a casa com o objetivo de convencer a filha a retirar a denúncia de estupro, segundo a mãe da jovem afirmou à polícia.

A mãe relatou também que ele estava calmo, mas a situação mudou quando a menina se negou a voltar atrás sobre a queixa.

O crime sensibilizou moradores da cidade e reuniu uma força-tarefa de buscas com equipes da Polícia Civil, Polícia Militar e Guarda Civil Municipal para encontrar o suspeito, que fugiu em direção a um matagal.

A Guarda Municipal de Itupeva foi acionada e usou cães farejadores para tentar encontrá-lo. O cão Max, da raça Bloodhound, chegou a identificar o odor de Horácio em trilhas.

Buscas na mata – A floresta na região é constituída de árvores altas e copas desenvolvidas com muitos arbustos, o que dificulta o trabalho da polícia. Além disso, a região tem diversas nascentes.

A extensão de floresta ao entorno de São Roque faz limite com outros municípios. Quem conhece a área pode ter acesso à rodovia Castello Branco e chegar a Araçariguama, cidade vizinha de São Roque.

Fonte: G1 Sorocaba e Jundiaí

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here