22 setembro 2020

Dólar dispara com falta de confiança na política econômica do governo Bolsonaro

A aparente trégua no mercado de renda fixa --que na véspera ajudou a acalmar o dólar depois de o Tesouro Nacional reduzir o tamanho do leilão de prefixados-- durou pouco. O salto do IGP-M da segunda prévia de setembro divulgada nesta sexta serviu de combustível para renovadas preocupações sobre inflação --receio que para muitos agentes financeiros foi minimizado pelo BC no comunicado da reunião do Copom desta semana.

Brasil esvazia estoques reguladores de alimentos e preço dispara

De acordo com especialistas, a medida do governo deixa os preços dos produtos à mercê da oferta e da procura do mercado e da oscilação no valor do dólar, sem interferência do Estado.

O ministro das Comunicações afirmou que há cinco empresas interessadas na compra dos Correios.

O ministro disse que pediu para que o tema ficasse sob sua responsabilidade no ministério e que conversará com líderes do Congresso e os presidentes da Câmara e do Senado para articular a tramitação do projeto de privatização.

Incrível! Guedes culpa pobres pela alta de preço do arroz

“Os mais pobres estão comprando, estão indo no supermercado, estão comprando material de construção. Então, na verdade, isso é um sinal de que eles estão melhorando a condição de vida”, afirmou Guedes, afirmando que houve uma “enxurrada de dinheiro” paga a famílias de baixa renda durante a pandemia, como o auxílio emergencial de R$ 600 e o saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Bolsonaro rejeita a ideia de tabelamento de preços de alimentos

Jair Bolsonaro voltou a dizer que o governo não adotará o tabelamento para combater a alta de preços de produtos que tiveram aumento recente, como o arroz. 

Área econômica apoia que aposentados fiquem sem aumento por até dois anos

A ideia evitaria, por exemplo, a correção automática do piso de aposentadorias e pensões – que hoje não podem ser menores que o salário mínimo. A área econômica também apoia que os benefícios maiores fiquem congelados no período.

Durante pandemia, montadoras elevaram preços dos carros em 10%

Neste cenário, as montadoras aplicaram um reajuste médio de 10% durante a pandemia, conforme levantamento realizado pela consultoria automotiva Jato Dynamics. O aumento que chega ao consumidor final — a depender da negociação com o concessionário — pode ficar entre 7% e 8%. Com isso, um carro de entrada que custa em torno de 50.000 reais pode sair por mais de 54.000 reais. Entre os modelos importados, o reajuste é ainda maior.

A Azul poderá ser a primeira companhia aérea a receber financiamento do BNDES

A operação oferecida é uma mistura de debêntures simples mais bônus de subscrição de ações, como já se sabia. Bancos comerciais terão de oferecer uma garantia firme de 10% do volume total. Os preços e condições serão definidas em processo de bookbuilding, uma espécie de consenso definido por meio de um livro de ofertas de interessados gerido por bancos de investimentos. A participação do BNDES será por meio de seu braço de participação, a BNDESPar, anunciado como âncora da possível oferta. O fato relevante da empresa não detalhou, mas quando o banco estatal anunciou o modelo geral, a previsão era que sua oferta não seria na forma de garantia firme, dependeria de adesão do mercado aos 30% restantes, além dos bancos comerciais.

Dia da cachaça: pequenos e médios produtores dominam 98% do mercado nacional

Com investimentos baixos e possibilidade de terceirizar a produção, os pequenos e médios produtores de cachaça representam 98% do mercado brasileiro. O Brasil comemora neste...

Bahia: previsão de safra recorde de grãos em 2020

A Bahia tem previsão de produzir uma safra recorde de grãos em 2020. A estimativa é do  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),...