Cérebro preguiçoso na pandemia? Como a estimulação cognitiva pode ajudar hoje

Levantar da cama quentinha e tomar um banho ou ficar dormindo até mais tarde? Aprender
algo novo e desafiador, ou continuar fazendo o que eu sempre fiz muito bem sem esforço
nenhum? Ficar no Tik Tok ou ler um livro?
Por meio de exemplos simples do dia a dia, é possível observar com clareza o quanto a
superação está presente em nossa vida e como ela pode nos levar mais longe.
Assim como nos exemplos citados, desafiar nosso cérebro e ajudá-lo a encontrar caminhos e
soluções para as mais diversas situações da vida é a chave para o desenvolvimento humano
saudável, um processo que pode ser facilitado com a prática de estimulação cognitiva ou
ginástica para o cérebro.


Cérebro preguiçoso? Será?
Nosso cérebro não é exatamente preguiçoso, mas sim, poupa energia e se adequa a
necessidade do momento.
Ao iniciarmos as atividades depois de um tempo de recesso, como um final de semana, por
exemplo, é como se este órgão não entendesse que nós já estamos na segunda-feira e que
temos uma lista de resoluções para cumprir, ou, ao menos, pequenos objetivos que
precisam dele para serem alcançados.
“Em resumo, nosso cérebro poupa energia quando realiza atividades que já são rotineiras ou
não proporcionam mais um grande desafio. Poupar energia é importante, mas se o cérebro
não é estimulado em tarefas inovadoras e desafiadoras ao longo da vida, não cria e fortalece
novas conexões neuronais, o que impede o desenvolvimento de uma reserva cognitiva
efetiva”, lembrou Patrícia Lessa, Diretora Pedagógica do SUPERA, uma rede de escolas de
ginástica para o cérebro.
Deixando a zona da preguiça
Ainda segundo a especialista, é preciso lembrar que nem tudo que tira o cérebro do
“automático” é sacrificante.
No caso da ginástica para o cérebro oferecida pelo Método SUPERA para milhares de alunos
em todo o Brasil, é justamente o contrário.

“Nosso cérebro precisa de novidade, variedade e grau de desafio crescente. Quando ele é
estimulado da forma correta, consegue dar melhores respostas. No caso das crianças, a
resposta é mais desempenho escolar, para adultos, uma aprovação em um concurso público
e melhor desempenho no trabalho. Já para os idosos, a ginástica para o cérebro oferece
ganhos significativos em memória, concentração, raciocínio e reserva cognitiva”, lembrou.
Estimulando o cérebro agora
Exercitar o cérebro de forma que ele crie conexões não é algo tão simples quando nosso
objetivo é adquirir mais reserva cognitiva.
No entanto, é possível iniciar este caminho com alguns exercícios como:

Realizar cálculos por meio do ábaco em níveis gradativos crescentes;

Caça-palavras (auxilia na potencialização da atenção);

Palavras-cruzadas (um ótimo exercício para estimular a expressão de palavras no
dia-a-dia e o acesso semântico da informação);

Jogos das diferenças (auxiliam na potencializarão da atenção);

Leitura e escrita (estimulam a criatividade, a atenção, e a memória);

Aprendizagem de um novo idioma;

Jogar xadrez;

Aprender a tocar um instrumento musical e jogos utilizando estratégias.

Para Patrícia Lessa, o importante é fugir de estereótipos e estimular o cérebro, sempre que
possível. “Nosso cérebro é o órgão mais importante do nosso corpo e o mais negligenciado.
Quando estimulado muitas habilidades cognitivas, como: concentração, memória entre
outras são desenvolvidas permitindo resultados de performance mais consistentes em todos
os contextos. Não existe cérebro preguiçoso. Independentemente da idade, é possível sempre chegar mais longe”, concluiu.

Supera Alagoinhas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here