Manipulação dos dados do coronavírus é criticada por Rui Costa e ACM Neto

A decisão do Ministério da Saúde de retirar do Boletim Epidemiológico alguns dados consolidados, a exemplo do número total de casos da Covid-19, e alterar o horário da atualização dos números, das 18 h para às 22 h, na última sexta-feira, 5, gerou insatisfação entre governadores, prefeitos e secretários de Saúde.

Em Salvador, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM) criticou a decisão do MS durante uma entrega de cestas básica na Associação de Amigos do Autista da Bahia, em Pituaçu. “Isso é um crime. Um absurdo. Inaceitável. Penso eu que o Ministério da Saúde está revendo essa posição. O pior é querer dizer que a divulgação não vai acontecer para que os telejornais não reproduzam os números. Inaceitável. É brincar com a vida humana”, disse o prefeito.

ACM Neto explica que, toda noite, se reúne com o núcleo de coordenação das ações de enfrentamento ao Covid-19 para analisar os dados epidemiológicos. “A gente começa a reunião normalmente às 20 h. É uma reunião longa. Começamos exatamente pela análise dos dados. Hoje, começamos sem saber quais são os números do coronavírus no Brasil”, lamentou”.

O governador Rui Costa (PT) afirmou que o país espera total transparência na divulgação dos dados do novo coronavírus no país. “A sociedade tem que ser informada sobre os números, não importa o quanto sejam tristes. Isso é uma questão de respeito a todos, principalmente aqueles que sofrem a perda de parentes e amigos”, pontuou o governador da Bahia.

O secretário estadual de Saúde, Fábio Villas Boas, utilizou uma rede social para criticar a decisão do MS. “Não podemos permitir que escondam nossos mortos, nem falseiem dados da Covid-19. Sofremos juntos com as famílias baianas que perderam seus entes queridos nessa pandemia. É preciso seriedade científica para que nosso país continue a gozar do respeito internacional”, desabafou o secretário na postagem.

Já o senador baiano Ângelo Coronel (PSD) entrou com um requerimento no parlamento convocando o Ministério da Saúde a dar explicações sobre decisão e exigindo o retorno com a maior celeridade das divulgações consolidadas, com dados gerais, como vinha acontecendo desde à série histórica iniciada na década de 70. “Esconder dados da população é um dos maiores absurdo já visto na história desse país”, criticou o senador.

O Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) publicou uma nota nesta segunda , repudiando as declarações do empresário Carlos Wizard, cotado para Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, de que prefeitos e governadores estavam criando dados “fantasiosos ou manipulados” sobre o números de mortos pela Covid-19 para conseguir mais recursos do governo federal.

 

Fonte: Jornal A Tarde

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here