O que é importante as mulheres saberem sobre câncer de mama

Além de incentivar a prevenção e diagnóstico precoce de câncer de mama, o Instituto de Urologia, Oncologia e Cirurgia Robótica (IUCR) ressalta a importância de conscientizar as mulheres que sob o chapéu câncer de mama estão diferentes tipos da doença e que tratamentos são realizados de maneira individualizada. As terapias de câncer de mama, com base em evidências científicas, têm evoluído, mas ainda não estão ao alcance de todas as brasileiras. Além disso, prevenção e diagnóstico precoce precisam fazer parte da consciência da mulher e das políticas públicas.

Outubro Rosa é o mês reservado à conscientização  do câncer de mama e falar sobre  prevenção e os fatores de riscos evitáveis é tão importante quanto abordar questões relacionadas aos diversos tipos da doença e à evolução de tratamentos. A reflexão é da médica oncologista Andréa Paiva Gadêlha Guimarães, do Instituto de Urologia, Oncologia e Cirurgia Robótica (IUCR) e faz todo o sentido, afinal, o câncer de mama é o mais incidente em mulheres no mundo. São cerca de 2,3 milhões de casos novos estimados em 2020, o que representa 24,5% dos casos novos por câncer em mulheres. É também a causa mais frequente de morte por câncer nessa população. No Brasil, em 2021, estima-se 66.280 casos novos da doença, o que equivale a uma taxa de incidência de 43,74 casos por 100.000 mulheres. Os dados são do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Portanto é muito importante dizer a essas mulheres, segundo Andréa, que há tratamento para câncer de mama e que a medicina tem evoluído nesse sentido. Uma das primeiras coisas que uma mulher já acometida por câncer de mama precisa saber é que seu tratamento nunca será exatamente igual ao de outra mulher com câncer na mesma região. “O câncer de mama não é uma doença única. E o primeiro passo antes de planejar o tratamento é  identificar o tipo de tumor da paciente. Isso porque cada um tem uma resposta diferente a determinados procedimentos e medicamentos”, afirma Andréa.

Medicina molecular e câncer de mama – Nesse aspecto, a classificação molecular e imunoistoquimica foi uma evolução importante da medicina para essas pacientes porque informa ao médico oncologista se nas células do tumor há expressão de receptores hormonais (estrogênio e/ou progesterona) e de proteína HER2. Com base nessa informação os tumores de mama são classificados em:

  • Luminal A – são positivos para receptores dos hormônios estrogênio e progesterona e apresentam crescimento mais lento das células.
  • Luminal B – são positivos para receptores dos hormônios estrogênio e progesterona, no entanto, seu nível de proliferação celular é mais acelerado que do luminal A.
  • Tumores com receptores de proteína HER2 – em geral, são tumores que crescem e se disseminam rapidamente, mas, por outro lado, costumam responder bem a  tratamentos com medicamentos específicos que têm como alvo a proteína HER2.
  • Tumores triplo negativo – são negativos para receptores de estrogênio, progesterona e proteína HER2.

“Tumores da classificação luminal A são mais frequentes. O triplo-negativo tem maior incidência em mulheres jovens e são mais agressivos. Mas é importante ressaltar que o câncer de mama acomete mulheres de todas as idades”, alerta. Para entender a importância da classificação molecular, Andréa dá um exemplo: “sabemos que tumores triplo-negativo respondem melhor aos tratamentos com terapias-alvo e imunoterapia. Há estudos que mostram bons resultados com uso de imunoterapia precoce e terapia-alvo, antes da cirurgia”.

Sempre com base em evidências – “A classificação histológica continua a ser importante. Precisamos entender que na medicina como um todo e isso vale para a oncologia, que decisões de tratamento são tomadas com base em dados científicos, evidências”, ressalta a oncologista. A classificação histológica do câncer de mama está relacionada ao local onde o tumor surgiu e o modo como se desenvolve. Considerando esses aspectos, entre os mais comuns estão: o carcinoma ductal in situ, que afeta os ductos da mama (os canais que levam o leite) e não atinge outros tecidos; o carcinoma ductal invasivo, que se inicia nos ductos, mas pode atingir outros órgãos, por meio das veias e/ou vasos linfáticos; o carcinoma lobular in situ, que se origina no lóbulos da mama (glândulas produtoras de leite) e não atinge outros tecidos; carcinoma lobular invasivo, que, da mesma forma, se desenvolve nos lóbulos mamários, mas pode atingir tecidos próximos; e o carcinoma lobular invasivo, que começa nos lóbulos mamários e pode atingir outros órgãos. “Além do tipo histológico para definirmos o tratamento precisamos avaliar o que chamamos de estadiamento da doença, se ela está restrita ou não a mama. Será que os linfonodos estão comprometidos? É uma doença em fase inicial ou mais avançada?”, enumera.

Quanto mais conhecimento e experiência melhor – Além  dessas classificações, o olhar do médico sob o paciente é fundamental para decidir a estratégia de tratamento. “Assim como cada tipo de tumor de mama tem suas características, cada paciente é única”, afirma. De acordo com Andréa, uma paciente jovem com câncer de mama, em  idade reprodutiva, vai ter uma abordagem diferente de tratamento, de uma mulher que já passou pela menopausa. Da mesma, forma duas mulheres da mesma idade, uma que ainda deseja ter filhos e outra que já formou sua família ou não tem planos de ter filhos, precisa ter essas questões consideradas no tratamento.

Com base em todas essas informações somadas a seus conhecimento e experiência, o médico vai planejar com a paciente a estratégia de tratamento. E os recursos nesse sentido estão evoluindo muito, na opinião da especialista. As cirurgias de mama, por exemplo, tornaram-se cada vez menos mutiladoras, além de, em muitos casos, ser possível realizar a reconstrução da mama simultaneamente à retirada do tumor. Os recursos disponíveis para tratamento de câncer de mama contam com terapias focais, que têm como objetivo tratar o tumor localmente, sem afetar as demais regiões do organismo do paciente. Nesse caso, estão, além das cirurgias menos mutiladoras, a radioterapia. E os médicos oncologistas, responsáveis pelos tratamentos sistêmicos, que englobam quimioterapia, hormonioterapia, terapias-alvo e imunoterapia, também precisam estar sempre atualizados porque a evolução e as novas alternativas aparecem com frequência.

“Em eventos importantes  da oncologia , como na ASCO e no ESMO ocorridos  este ano,  um dos destaques foi a droga chamada trastuzumabe deruxtecan que está sendo testada por meio de estudos em pacientes norte-americanos e aqui no Brasil, em um hospital em Porto Alegre. O medicamento tem demonstrado eficiência no tratamento de mulheres com câncer de mama que apresentam o retorno da doença após esgotar vários tratamentos sem sucesso em câncer de mama HER2 positivo metastático”, diz.  Muitos são os avanços,  segundo Andréa, que, infelizmente, no Brasil  não estão disponíveis para todas as pessoas. “Há muita dificuldade de acesso no Sistema Único de Saúde (SUS), assim como entre os usuários de planos de saúde suplementar, que nem sempre têm cobertura para tudo que precisam para seu tratamento.”, avalia.

Consciência, prevenção e diagnóstico precoce – A evolução dos tratamentos é uma realidade, mas a prevenção e a realização das consultas anuais com o ginecologista e da mamografia devem fazer sempre parte da rotina da mulher, alerta Andréa. No contexto da prevenção, a especialista recomenda: adotar uma alimentação rica em fibras (legumes, grãos, frutas e verduras todos os dias); não fumar, lembrando que cigarro gera dependência química, principalmente, por causa da nicotina e que não é seguro consumir tabaco sobre qualquer forma; não consumir bebidas alcoólicas ou, no máximo, de maneira muito moderada; incluir na rotina a prática de exercícios físicos; manter o controle do peso;  e estar atenta a alterações na mama e procurar o médico.

Para o diagnóstico precoce de um câncer de mama, a mamografia é o padrão ouro de rastreamento e deve ser realizada anualmente a partir dos 40 anos de idade. “O médico pode recomendar a realização antes desta idade, na presença de fatores de risco hereditários”, informa.   Outro dado importante a ser pesado é avaliar se na menopausa a mulher vai precisar mesmo de reposição hormonal,  medida que pode aumentar o risco para câncer de mama. “Reposição hormonal pode ser benéfica para algumas mulheres muito sintomáticas e quando há comprometimento da qualidade de vida, mas deve ser bem avaliada a forma de reposição e riscos e benefícios desta estratégia ”, conclui.

SOBRE O IUCR – O Instituto de Urologia, Oncologia e Cirurgia Robótica Dr. Gustavo Guimarães – IUCR, criado em 2013, é especializado na prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação do paciente com câncer. A equipe médica é formada por profissionais altamente especializados em uro-oncologia, cirurgia oncológica e oncologia clínica, sob a liderança do cirurgião oncológico Dr. Gustavo Guimarães, que possui mais de 20 anos de atuação e dedicação à assistência do paciente, ao ensino e à pesquisa científica nessa área. Guimarães desenvolveu ampla experiência em tecnologias e procedimentos minimamente invasivos como cirurgia laparoscópica, ultrassom focalizado de alta intensidade-HIFU e cirurgia robótica, tendo desenvolvido um consistente Programa de Consultoria e Capacitação sobre Cirurgia Robótica para Instituições de saúde em todo o país, que engloba a implantação, o desenvolvimento das diversas técnicas cirúrgicas e a capacitação das equipes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here