Parecer diz que não há evidência de corrupção de Mantega em operações do BNDES com a JBS

0
77

Investigação interna realizada dentro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social não encontrou nenhuma evidência direta de corrupção em oito operações entre o BNDES e JBS, Bertin e Eldorado Brasil Celulose, realizadas entre 2005 e 2018. Assinado pelos escritórios Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP e Levy & Salomão Advogados, o relatório final ressalva que a equipe de investigação ‘não teve acesso a certos documentos e testemunhas importantes’.

(…)

Conforme reportado pelo MPF e pela Polícia Federal no âmbito da Operação Bullish, as principais alegações diretas de corrupção envolvendo determinados ex-funcionários do Banco derivam dos termos de colaboração premiada prestados pelo ex-Presidente do Conselho de Administração da JBS, Joesley Batista, nos quais ele alegou ter pago propina ao ex-presidente do BNDES e ex-ministro da Fazenda Guido Mantega com a finalidade de facilitar operações com o Banco em benefício da JBS e da Eldorado.

Joesley também alegou que Mantega teria influenciado Luciano Coutinho, presidente do BNDES entre maio de 2007 e maio de 2016, período em que se realizaram a maioria das Operações analisadas no relatório.

Nesse sentido, o relatório concluiu que não encontrou evidências de influência indevida por parte de Guido Mantega e Luciano Coutinho sobre a negociação, aprovação e execução das operações pelo banco. Contudo, os investigadores não descartaram a possibilidade de ter havido ‘influência indevida’, uma vez que as negociações podem ter ocorrido oralmente ou por meio de aparelhos eletrônicos pessoais aos quais os investigadores não tiveram acesso.

(…)

 

Fonte: DCM – Diário do Centro do Mundo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here