São Paulo fecha parte de hospital de campanha

HOSPITAL DE CAMPANHA DO ANHEMBI: dois terços dos leitos serão desativados (Edson Lopes Jr./Secom/Prefeitura de São Paulo/Divulgação)

O hospital de campanha do Pacaembu já havia sido desativado em junho em meio à queda dos casos na capital. Já casos no interior dobraram no último mês.

Mais um hospital de campanha para o coronavírus começa a sair de cena. O contrato da Prefeitura de São Paulo com os fornecedores que gerenciam a maior ala do hospital do Anhembi, na zona norte da cidade, será encerrado nesta sexta-feira, 31, e não será renovado.

Assim, a partir de agosto, 561 leitos serão desativados no hospital e outros 310 continuarão funcionando temporariamente. O custo do hospital passará de 28 milhões de reais para 9 milhões. Havia até quinta-feira, 30, 127 pessoas internadas no Anhembi.

No fim de junho, o hospital de campanha do Pacaembu, também da Prefeitura, já havia sido fechado. O prefeito Bruno Covas (PSDB) afirmou que a decisão decorre da estabilização de casos de coronavírus na capital paulista. Segundo Covas, em contrapartida serão abertos novos leitos permanentes em dois hospitais paulistanos, no da Brasilândia e no hospital Sorocabana, na Lapa.

Dos leitos de UTI no estado de São Paulo, 64% estão ocupados e, na região metropolitana, a ocupação é de 62%. O número de novos casos diários na capital paulista vem caindo nas últimas semanas, ficando entre 2.000 e 3.000 novos casos diários. São Paulo totaliza 9.470 mortes por coronavírus e mais de 223.500 casos, segundo boletim desta quinta-feira, 30. Em uma semana, foram cerca de 20.000 novos casos.

Mas enquanto a capital começa a registrar estabilização dos números, a covid-19 segue avançando em parte do estado de São Paulo. Há no interior mais de 305.000 casos de coronavírus, 58% dos casos no estado. Ao todo, o estado de São Paulo tem 529.006 casos e 22.710 óbitos.

O número de casos no interior dobrou desde o fim de junho, com quase 150.000 novos casos, só entre os confirmados — pode haver ainda um alto índice de subnotificação.

Também nesta sexta-feira, 31, o governador João Doria (PSDB) participa de mais uma das coletivas diárias sobre a situação do coronavírus no estado e pode comentar novos planos no processo de reabertura. Na capital paulista, que está na fase 3 de flexibilização — em que só eventos e educação não foram ao menos parcialmente retomados –, a expectativa é que novas mudanças não sejam anunciadas hoje.

O avanço da covid-19 pelo interior fez algumas cidades terem de voltar a fechar parte do comércio em meio ao plano de reabertura da economia nas últimas semanas. O plano do governo do Estado leva em conta a ocupação de leitos de UTI, número de casos e óbitos e outros fatores.

Assim, mesmo com números melhorando na capital, um outro hospital de campanha, o do Ibirapuera, registra com precisão o cenário da covid-19. Embora fique na capital, o hospital, que é administrado pelo governo do Estado, e não pela Prefeitura, passou a receber pacientes de cidades do interior, como Campinas e Piracicaba, cuja disponibilidade de leitos para covid-19 não vem dando conta da alta nos casos. A luta contra o coronavírus está, infelizmente, longe do fim.

 

Fonte: Revista Exame

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here