Segundo estudo, Coronavac é a vacina que mais previne morte

Vacina CoronaVac - Foto: Reprodução

O estudo do epidemiologista Wanderson de Oliveira analisou o período de duas semanas após a aplicação da segunda dose da vacina.

A Coronavac, vacina produzida pelo Instituto Butantã, é a mais protege contra casos graves da doença, até 97% das mortes em pessoas infectadas. É o que aponta um levantamento realizado pelo epidemiologista Wanderson de Oliveira. Oliveira é atual secretário de Serviços Integrados de Saúde do Supremo Tribunal Federal e ex-secretário Nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

Para chegar a esta conclusão, o especialista utilizou dados do sistema OpenDataSus, do Ministério da Saúde. O estudo analisou o período de duas semanas após a aplicação da segunda dose da vacina. Além disso, analisou as taxas de eficácia contra casos graves das vacinas AstraZeneca (90%), Pfizer (80%), Janssen (85%) e Sputnik V (85%).

Até o último sábado, 19, o  número de vacinados com ao menos uma dose contra a covid-19 no Brasil chegou neste a 62.706.803,  o equivalente a 29, 61% da população total. Entre os mais de 62 milhões de vacinados, 24.243.552 receberam a segunda dose, o que representa 11,45% da população com a imunização completa contra o novo coronavírus.

Até o último sábado, 19, o número de vacinados com ao menos uma dose contra a covid-19 no Brasil chegou neste a 62.706.803, o equivalente a 29, 61% da população total. Entre os mais de 62 milhões de vacinados, 24.243.552 receberam a segunda dose, o que representa 11,45% da população com a imunização completa contra o novo coronavírus.

 

Fonte: Revista Exame

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here