Sobreviventes de naufrágio que deixou 18 mortos chegam a Salvador

Os sobreviventes do naufrágio que deixou 18 mortos em Mar Grande, na manhã desta quinta-feira (24), começaram a chegar em Salvador por volta das 9h30. Ao desembarcar no Terminal Marítimo, as vítimas foram sendo colocadas dentro de ambulâncias. No local, cinco veículos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e um do Corpo de Bombeiros aguardavam as vítimas. No total, 129 pessoas viajavam na embarcação, além de quatro tripulantes.

As vítimas foram levadas para o Hospital do Subúrbio. Na Ilha, os tripulantes foram atendidos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Uma paciente foi resgatada pelo Graer (helicóptero do PM) e encaminhada para o Hospital do Subúrbio. No Terminal Náutico do Comércio, 34 vítimas foram atendidas. Dessas, um bebê de um ano, que não resistiu e acabou morrendo.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), em Salvador, três ambulâncias atuaram no terminal marítimo do Comércio e duas foram encaminhadas à localidade de Mar Grande, na cidade de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica, além de uma ambulancha (lancha para resgate no mar).

A SMS disse que houve grande dificuldade para prestar o atendimento devido ao grande número de embarcações no local. Muitas pessoas acabaram sendo resgatadas por barcos menores. A pasta informou ainda que todas as Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) da prefeitura estão preparadas para receber as vítimas.

No Terminal Marítimo de Passageiros do Porto de Salvador a comoção era grande desde o início da manhã. Familiares e amigos chegaram ao local para acompanhar a chegada dos sobreviventes. Muitas pessoas choraram ao reencontrar seus parentes.

Uma das sobreviventes é a faxineira Morenina Santana, 35 anos. Ela conta que toda quinta-feira vem para Salvador para trabalhar fazendo faxina. “Quando eu percebi que tinha virado, eu já estava embaixo da água tentando respirar, e não conseguia. Eu pedi tanto a Deus que eu suspendi a cabeça, e tive a respiração. As madeiras começaram a quebrar. O barco começou a desmanchar”, contou, emocionada.

Quem também estava na lancha no momento do acidente foi o produtor musical, Mateus Alves Ramos, 23. Ele pegou a lancha de 6h30. Seu pai, Marival Ramos, pegou a de 6h. Assim que soube do acidente, Marival foi para o terminal náutico de Salvador, para onde parte dos sobreviventes estava sendo levada. “Meu colete eu dei a uma senhora, que desmaiou na água. Me segurei em uma bóia. Eu faço a travessia uma vez na semana. O barco surfou em cima de uma onda e não conseguiu tirar da outra onda”, contou Mateus.

O acidente
A lancha da Asssociação de Transportadores Maritímos da Bahia (Astramab) naufragou por volta das 7h, pouco depois de sair do terminal de Mar Grande, a caminho de Salvador. A lancha Cavalo Marinho I tinha capacidade para transportar 162 passageiros e transportava 133 pessoas no momento do naufrágio, 129 passageiros e 4 tripulantes.

Três navios da Base Naval de Aratu e três lanchas da Capitania dos Portos foram deslocadas para o local do naufrágio para auxiliar nas buscas. “Nós recebemos um chamado de emergência via rádio por volta das 8 horas e, em seguida, mandamos três embarcações de resgate imediatamente. Três navios da base, com médico a bordo e todo aparato para dar socorro, está a caminho. Também acionamos outros órgãos como o Graer, Samu e Bombeiros”, disse o capitão-tenente da Marinha, Fernando Jeann Tôrres Araújo.

O Grupamento Aéreo (Graer) da Polícia Militar e a 5ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Ilha de Vera Cruz) atuou em apoio às vítimas do naufrágio.

A 5ª CIPM também já prestou socorro a algumas vítimas para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Mar Grande e ao Hospital Geral de Itaparica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here