Usuários de plano de saúde denunciam dificuldades para marcar consultas e tratamentos: ‘O que me salvou foi o SUS’

Agência Nacional de Saúde informou que a Unimed Norte Nordeste teve 12 planos com a comercialização suspensa, não podendo receber novos usuários, para não comprometer a assistência prestada.

Usuários do plano de saúde Unimed Norte Nordeste denunciam dificuldades para marcar consultas e realizar tratamentos médicos em Salvador. Alguns pacientes contaram que, mesmo pagando mensalidades do plano, acabaram precisando do Serviço Único de Saúde (SUS).

Em nota, Unimed Norte Nordeste, informou que vem buscando solucionar algumas dificuldades existentes na rede de atendimento. A operadora disse ainda, que os atendimentos de urgência e emergência estão assegurados.

O professor de música Marco Antônio contou que paga, por mês, R$ 1.100 de plano de saúde para ele, a mulher e as duas filhas. Ele disse ainda que tenta marcar uma consulta há quase dois meses, mas não consegue. Segundo Marco, ele tentou entrar em contato com os hospitais indicados pelo plano, mas todos diziam estar descredenciados.

“Eu não consegui entrar em contato. Tem pessoas que se propõem a ficar quase 1h no telefone ouvindo a musiquinha e conseguem entrar em contato. Graças a Deus, minha família por enquanto está gozando de boa saúde, assim espero. Tem que fazer a parte de prevenção e eu não estou conseguindo”, relatou o professor.

A pedagoga Sara Ribeiro também relata dificuldades com o plano, mas o caso dela é muito mais sério. Sara foi diagnosticada com câncer de mama, em agosto de 2019 e, em novembro do mesmo ano, ela iniciou a primeira fase do tratamento de quimioterapia em uma clínica especializada de Salvador.

Das quatro quimioterapias previstas, Sara só conseguiu fazer duas dentro do prazo. A terceira foi liberada com atraso e a última ela precisou pagar com o próprio dinheiro, já que o plano tinha deixado de fazer repasse para a clínica.

“Conseguimos dinheiro para poder pagar a quimioterapia. Foi R$ 11 mil essa última vermelha, e vou tentar o reembolso. Depois o juiz vai decidir o que vai fazer”, relatou a pedagoga.

Sara disse que é beneficiária do plano desde 2017 e paga quase R$ 500 de mensalidade. Sem reposta para a continuidade do tratamento, ela recorreu ao SUS e conseguiu assistência em uma clínica médica em Petrolina (PE). Segundo a pedagoga, ela precisa ainda fazer 11 sessões da segunda fase do tratamento antes da cirurgia da retirada do nódulo.

“O que me salvou foi o SUS. Eu fico pensando em todos os pacientes que estão passando por isso, para poder iniciar um tratamento no SUS. Não é assim fácil, eu tive foi sorte. Deus que interviu por mim”, contou Sara.

Por meio nota, a Agência Nacional de Saúde (ANS) informou que a Unimed Norte Nordeste teve 12 planos com a comercialização suspensa, não podendo receber novos usuários, para não comprometer a assistência prestada.

O órgão de saúde disse ainda, que a decisão foi tomada após denúncias sobre descumprimento dos prazos máximos para realização de consultas, exames e cirurgias ou sobre negativa de cobertura assistencial encaminhadas para a fiscalização da ANS.

Em 2019, a Superintendência Municipal de Proteção de Defesa do Consumidor (Procon) registrou 836 reclamações de beneficiários de planos de saúde. O órgão orienta que os usuários entrem em contato com a operadora para ter o registro e, caso o problema não seja resolvido, deve procurar o Procon.

“Consumidores que não têm o prazo e marcação de consulta atendido ou, que tem iniciado um tratamento e, com isso, deixe de ser atendido, pode recorrer ao Procon para ter o atendimento na data e no tempo certo ou a continuidade daquele serviço tratamento inicial. Os valores que eles gastem por não ter um amparo do plano de saúde podem ser reembolsados até igual ao dobro do valor gasto, a depender do caso”, explicou Felipe Vieira, superintendente do Procon.

Leia a nota da Agência Nacional de Saúde (ANS) na íntegra:

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) vem monitorando e acompanhando de perto a Unimed Norte Nordeste (Registro ANS nº 32421), como é feito com todas as operadoras de planos de saúde, para assegurar a qualidade da assistência prestada aos beneficiários. De acordo com dados de novembro de 2019 disponíveis no portal da ANS, a operadora tem 73.800 beneficiários em todo o país, sendo 12.700 na Bahia.

No último ciclo do Monitoramento da Garantia de Atendimento, a Unimed Norte/Nordeste teve 12 planos com a comercialização suspensa (veja aqui os planos), não podendo, portanto, receber novos usuários para não comprometer a assistência prestada. O Monitoramento da Garantia de Atendimento avalia as operadoras a partir das denúncias sobre descumprimento dos prazos máximos para realização de consultas, exames e cirurgias ou sobre negativa de cobertura assistencial encaminhadas para a fiscalização da ANS. A intenção do programa é estimular as operadoras a garantir o acesso do beneficiário aos serviços e procedimentos de acordo com o que foi contratado.

A ANS esclarece ainda que as operadoras de planos privados de saúde devem dispor de rede de prestadores de serviços de saúde capaz de garantir o atendimento aos seus beneficiários nos prazos máximos determinados para a realização de exames, consultas, cirurgias e outros procedimentos (veja aqui os prazos). A operadora deve garantir o atendimento ao usuário, independentemente do prestador que o fará. Caso contrário, deverá ressarcir o beneficiário integralmente, ou seja, no valor efetivamente pago pelo beneficiário ao prestador, sob pena de limitar o direito ao atendimento garantido por lei. Nos casos em que há confirmação de negativa indevida de cobertura, a operadora é multada em valores que variam de R$ 80 mil a R$ 250 mil.

De acordo com a legislação do setor, o descredenciamento de prestadores hospitalares poderá se dar através da redução ou da substituição da rede, e tem regras diferenciadas para hospitais e demais prestadores. No caso de redução, deve haver prévia autorização da ANS, e, para a substituição por outro prestador, a ANS deve ser comunicada para fins de avaliação da equivalência. O beneficiário deve ser comunicado com 30 dias de antecedência acerca da substituição.

Além disso, as operadoras são obrigadas a divulgar a sua rede assistencial nos seus portais corporativos na internet, atualizada em tempo real, conforme Resolução Normativa – RN nº 285/2011, possibilitando consulta por qualquer cidadão.

Cabe ainda destacar que o beneficiário insatisfeito com os serviços prestados por seu plano de saúde tem o direito de solicitar a portabilidade de carências para outra operadora de sua escolha, conforme determina a Resolução Normativa nº 438.

Leia a nota da Unimed Norte/Nordeste na íntegra:

A Unimed Norte/Nordeste, operadora de planos de saúde com 42 anos de história, informa que vem envidando esforços para uma solução mais ágil e eficaz quanto os atendimentos dos beneficiários em Salvador, na Bahia. Para tanto, vem buscando, em conjunto com o Sistema Nacional, para equacionar algumas dificuldades existentes na rede de atendimento.

Neste sentido, é importante frisar que, de acordo com regulamentação do Sistema Nacional Unimed, estão assegurados os atendimentos de urgência e emergência. A Unimed Norte/Nordeste disponibiliza sua Ouvidoria como canal de comunicação aos seus beneficiários, no telefone 83 3048-2760 e no seu portal na internet.

Fonte: G1 Bahia

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here